CEIC NOTÍCIAS

Jornal do Colégio Externato Imaculada Conceição

Edição n.º 5

abril 2022

Voltar

… Sónia Soares (corista)

A mãe da nossa colega Matilde Soares (5.ºA) faz parte de um coro de Igreja. Aí tem a oportunidade de contactar com a música e experimentá-la de uma forma muito particular. Afinal, o que é isso de ser corista?

P: Como surgiu a oportunidade de cantar num coro?
R: Surgiu por volta dos 4 anos de idade, pois a minha mãe fazia parte do coro (que acabei por integrar) e levava-me aos ensaios.

P: O que mais gosta nesta atividade?
R: Da família que se constrói dentro do coro. Ao fim de algum tempo, estamos todos ligados por um laço de amizade bem forte.

P: Há algum cantor que seja uma inspiração para si? Qual? Por que razão?
R: Posso dizer que todos os cantores nos tocam, cada um de uma forma especial. Mas, ainda assim, não tenho nenhum em concreto que me inspire ou que me leve a querer ser como ele.

… José Moura (professor)

Quisemos escutar mais um professor do CEIC da área da Música… Leiam as suas respostas…

P:Qual o seu instrumento musical favorito para além do que toca? Por que razão?
R: É o violoncelo e por várias razões… Possui um timbre muito bonito, uma sonoridade grave e muito expressiva, pela forma como é tocado e o contacto que tem com o corpo humano. Alem disso, nos dias de hoje, é muito versátil no que diz respeito ao repertório que toca e à sua utilização nas diferentes tipologias de música: clássica, pop, rock, entre outras.

P: Qual a sua motivação para ter seguido a área da Música?
R: Foram vários os fatores: o ambiente familiar em que estava inserido, embora os meus pais nunca tivessem estudado música, sempre me apoiaram e incentivaram para a aprendizagem de um instrumento musical; ter amigos que também andavam a aprender a tocar um instrumento; gosto pela arte musical; a curiosidade em perceber como um artista pode transmitir os seus sentimentos e emoções através dos sons.

P: Aqui no Colégio, que aulas leciona? Como têm corrido?
R: Formação Musical e Classe de Conjunto. Na primeira, procuro, além de ensinar os sinais e símbolos que representam a linguagem musical, explorar a criatividade dos alunos. Na segunda, a aula tem uma componente de trabalho de grupo, na qual fomento a prática coral em diferentes géneros musicais e sempre que possível a prática de instrumento Orff. De uma forma geral, as aulas têm corrido bem, tento manter os alunos motivados e interessados.

… Daniela Marques (professora de Música)

Para esta edição do jornal sobre Música, fazia todo o sentido entrevistar a nossa professora Daniela.

P: Por que razão/ões começou a trabalhar na área da Música?
R: Antes de mais, obrigada pela oportunidade de participar no vosso jornal de parede! A música sempre foi um sonho para mim e desde muito pequena imaginava-me a ensinar, a ser Professora, não sabia do quê… Mais tarde, essa dúvida desapareceu, a música era o caminho a seguir. Não foi a minha primeira formação, foi Direito, e provavelmente não será a última, mas será para toda a vida.

P: Qual o seu instrumento musical favorito? Porquê?
R: Esta resposta é fácil: a Flauta Transversal, e foi precisamente neste instrumento que incidiu a minha formação. Comecei com 13 anos, numa banda filarmónica da minha terra, de seguida ingressei no Conservatório para aprender mais sobre este incrível instrumento, que eu adoro, e depois na Universidade do Minho, para novamente aprofundar conhecimentos. É lindo e tem um som doce!

P: Qual a sua opinião sobre o CEIC? E sobre as nossas aulas de Música?
R: Comecei a lecionar no CEIC apenas este ano, por indicação do Prof. José Moura, e confesso que estou a adorar. Cada turma tem as suas características, é única e especial. O meu objetivo é que todos terminem o seu percurso a adorar este mundo mágico da música. Que nas aulas toquem instrumentos, explorem o seu corpo, cantem, dancem, se divirtam e sejam felizes, porque afinal é para isso que serve a música!