CEIC NOTÍCIAS

Jornal do Colégio Externato Imaculada Conceição

Edição n.º 5

abril 2022

Voltar

Dança Contemporânea

A dança contemporânea surgiu na década de 60 do século XX e tornou-se particularmente conhecida.
É uma mistura de dança e teatro, além de poder usar o vídeo, as artes plásticas ou a fotografia. Os movimentos corporais são tão expressivos, neste estilo, que dão forma a uma construção artística e comunicativa.
A partir de 1980, a dança contemporânea começou a ganhar uma linguagem própria, mas não deixando de recuperar características do ballet, do jazz ou do hip hop.
Com base na dança moderna e pós-moderna, não tem ainda, e talvez nunca venha a ter, técnicas ou movimentos específicos. Na verdade, o bailarino tem total autonomia para criar as suas coreografias, também considerando pesquisas realizadas por si.
Seja contemporânea ou outra dança qualquer, dancem. Movimentarmo-nos é sempre bom para a saúde!

O homem dos mil talentos

Leonardo da Vinci nasceu em 1452, em Itália, tornando-se num dos mais reconhecidos pintores do Renascimento.
Na verdade, apesar de se ter destacado nessa arte, da Vinci também se dedicou à engenharia, à arquitetura, à mecânica, à cartografia, à anatomia, entre outras áreas. Foi considerado, também por isso, um autêntico génio.
Na pintura, o seu primeiro trabalho visível foi uma parte da tela “O Baptismo de Cristo”, de Verrocchio, tendo ilustrado os anjos e a paisagem à esquerda do quadro. Como se saiu tão bem, acabou por juntar-se aos artistas que trabalhavam para Lourenço de Médici, o famoso mecenas que governava Florença. Tinha, nessa época, 25 anos.
Ao longo da sua vida, pintou quadros tão conhecidos, como A Última Ceia, Mona Lisa ou o Homem Vitruviano.
Acabou por perder a vida em 1519, em França, onde residia.

Pintor sem rosto

São poucas as informações sobre a vida de Nuno Gonçalves. O pintor português terá nascido no ano de 1420 e falecido setenta anos depois, em 1490.
Acredita-se que foi pintor na corte de D. Afonso V, existindo uma obra renascentista do século XV que se acredita ser da sua autoria – os Painéis de São Vicente de Fora.
São seis painéis, dois largos e quatro mais estreitos, dominados pela figura de São Vicente, santo patrono de Lisboa e da casa real portuguesa.
Esse conjunto de sessenta figuras de tamanho praticamente real inclui elementos da nobreza, do clero, do povo, além daquilo que se pensa ser um autorretrato.
Em 1931, quando sua obra foi exposta em Paris, Nuno Gonçalves beneficiou de um grande reconhecimento internacional.

Bonjour, Torre Eiffel!

A Torre Eiffel, em França, resulta de um projeto inovador de Gustave Eiffel. Depois de 5300 desenhos, realizados por engenheiros e artistas de design, da pré-fabricação de 18 000 peças por 100 trabalhadores, 2 anos, 2 meses e 5 dias de construção, a inauguração aconteceu a 31 de março de 1889.
Este edifício destinava-se à Feira Mundial, um dos mais importantes eventos da Europa na época. “A Exposição Universelle” aconteceu entre 15 de maio e 6 de Novembro e recebeu milhões os visitantes. Nessa altura, sem elevador, as pessoas subiam a torre por meio das escadas, um total de 1.710 degraus até o topo!
Graças a todo esse sucesso, o monumento foi oficialmente adotado pela cidade, que decidiu não a desmontar. Uma decisão bastante acertada, uma vez que hoje a Torre Eiffel é uma das principais atrações turísticas da cidade de Paris.
Para além da subida à mesma, há elementos interessantes que podem ser vistos no seu interior, na maioria das vezes relacionados com a sua história, com a sua construção e com os desafios que os construtores enfrentaram.

Amadeus Mozart

Amadeus Mozart nasceu em 1756, na Áustria. Com apenas quatro anos, aproveitou a aula de piano da irmã mais velha e pediu para experimentar. Os seus dedos deslizavam rapidamente de uma tecla para a outra, praticamente não se enganou e acompanhou o ritmo na perfeição.
Aos seis anos, já viajava com a irmã e com os pais para tocarem em todas as cortes europeias. Com treze anos, o seu reportório incluía uma ópera, várias sonatas para violino e piano e algumas sinfonias.
Apesar de não ter vivido muitos anos, morreu com trinta e cinco, dedicou o seu tempo de vida a escrever música, compondo cerca de seiscentas obras de todos os tipos, algumas que se tornaram bastante famosas, como Don Giovanni, As Bodas de Fígaro ou A Flauta Mágica.
Há uma curiosidade sobre a sua vida, que queremos destacar: aos catorze anos, ouviu, na Capela Sistina, uma composição musical cuja partitura era secreta. Mozart foi capaz de memorizá-la e tornou-se capaz de a tocar sozinho. O Papa condecorou-o, perante tamanho feito musical.

A arte do teatro

A história do teatro, a arte da representação, iniciou-se na Grécia Antiga, por volta do século VI a.C., por isso, a profissão de ator é uma das mais antigas do Mundo.
O teatro contribui para o desenvolvimento de competências pessoais e sociais, pois exige disciplina e dedicação. Os artistas do teatro aprendem a trabalhar em grupo, a respeitar o colega, a melhorar a sua expressividade, além de melhorarem a criatividade e a imaginação.
Uma peça de teatro é uma apresentação ao vivo, durante a qual os atores criam uma situação dramática. Na verdade, desta forma conta-se uma história que transmite uma mensagem ou que descontrai ou que nos ajuda a pensar de outro modo.
Ao longo dos séculos, o teatro foi ganhando diferentes formatos. Algumas apresentações incluem música e dança, outras envolvem também as artes visuais. Dentro dos géneros teatrais possíveis, destacam-se a comédia, a tragédia e o musical.