CEIC NOTÍCIAS

Jornal do Colégio Externato Imaculada Conceição

Edição n.º 6

abril 2021

Voltar

Como as crianças lidam com o dinheiro

Para conhecer uma estória engraçada sobre o CEIC, nada melhor do que ir ter com a professora Ana Paula e perguntar-lhe diretamente!
Nem imaginam a situação que descobri(mos)… Aconteceu há uns anos, mas continua a ser bem engraçada!

A Ana Paula contou-me que, há alguns anos, andou no Colégio uma aluna que tinha uma avó que era dona de uma loja. Essa tal aluna também tinha o seu lado traquina!
Ela, com curiosidade, abriu a caixa registadora da loja da avó. Depois, teve uma grande ideia…
Pegou no dinheiro e, no dia seguinte, como normalmente, foi para a escola. Durante o intervalo foi para o recreio e lançou todo o dinheiro para o chão! Todos os seus colegas seguiram o seu instinto e começaram a apanhar o dinheiro! As professoras e as Irmãs apressaram-se a apanhar o dinheiro, para, claro, o devolver à avó da menina. E também obrigaram os outros alunos a devolver o dinheiro.
Sinceramente, esta estória é muito engraçada!

Qual o significado?

Vemos o logótipo do Colégio na fachada, nos uniformes, nos cabeçalhos dos documentos, no Facebook, aqui e acolá, …
Até escrevemos notícias e descobrimos informações sobre as cores – azul e amarelo. Mas, na verdade, tínhamos dúvidas sobre o seu real significado. Por isso, fomos investigar …

Depois de colocarmos a pergunta diretamente ao professor Luís, de certeza a melhor fonte de informação para este assunto, descobrimos que quem teve a ideia do novo logótipo do CEIC foram todos os colégios da fundação, em conjunto.
Percebemos, também, que a imagem forma um areal, pois a cor amarela associa-se à areia da praia e a cor azul representa o mar.
Por fim, ficamos a saber que o logótipo anterior era o símbolo das religiosas missionárias. Já este novo foi uniformizado para todos os colégios.

Somos alunos do CEIC!

Nesta primeira edição do jornal de parede, quisemos deixar o nosso testemunho sobre a experiência de ser aluno deste Colégio.
Este é quase um convite dirigido àqueles que ainda não estudam por cá … e que, por isso, não sabem o que andam a perder!

“O Colégio tem os recreios mais divertidos do planeta Terra, onde há: ping-pong, matraquilhos, campo de futebol,…
Para além disso, podemos frequentar muitas atividades extracurriculares: aprender música com o professor José Moura, aprender karaté com o professor José Carlos, aprender ballet com a professora Julieta, e outras mais.
Quando temos dificuldades em alguma disciplina, inscreve-nos no apoio ao estudo, ‘comandado’ pela professora Sandra, e melhoramos as notas!
E este Colégio está sempre disponível para receber novas sugestões, porque a opinião de cada um (pais, alunos professores, funcionárias, …) é muito importante!
Para terminar, só uma curiosidade: sabiam que o Colégio Externato Imaculada Conceição foi fundado no ano 1883?!

Onde é?

Será que conhecemos o Colégio como a palma das nossas mãos?
A partir de uma pista, apenas, o desafio está lançado: quem descobre onde foi tirada a fotografia?
“E esta, hein?”

Quem foi Maria Emília Riquelme?

Todos os dias, aqui mesmo, na entrada do Colégio, vemos uma fotografia afixada na parede.
Será que sabemos, com certo pormenor, quem foi Madre Riquelme? As linhas a seguir podem ajudar…

Maria Emília, Madre Riquelme, nasceu em Granada, Espanha, no ano de 1847. Oriunda de uma família aristocrata, aprendeu francês, canto, equitação e bordado.
Na adolescência consagrou-se como Nossa Senhora do Carmo, depois de uma visão da Mãe de Deus.
O seu pai não aceitava a vida religiosa, e Maria Emília encontrou uma alternativa: visitar, e apoiar, os mais pobres em diferentes cidades do país.
Pelos seus problemas de saúde, a Santa Sé autorizou expor o Santíssimo Sacramento na sua residência. Por isso, surgiu a Congregação das Irmãs Missionárias do Santíssimo Sacramento e de Maria Imaculada, dedicada à educação e ao apoio social.
Madre Riquelme faleceu a 10 de dezembro de 1940, na cidade onde nascera.
A sua beatificação aconteceu em 2019, no dia 9 de novembro.

A D. Conceição é uma inspiração!

A D. Conceição trabalha no colégio há 11 anos. Quando aqui chegou, o 2.º ciclo ainda não existia. Disse-nos que apenas no momento da entrada do Professor Luís esse nível de ensino foi iniciado.
E o que mais nos contou?

Pelas suas palavras, ficamos a saber que os alunos, quando aqui chegou, eram em maior número, mais educados, com mais respeito para com os/as funcionários/funcionárias e eram mais amigos uns dos outros.
Além disso, contou-nos que o Colégio foi sofrendo algumas alterações ao longo do tempo, em relação ao edifício e aos espaços. Por exemplo, pintaram as paredes, que eram castanhas, de azul. E construíram um coberto de vidro, na entrada, para proteger da chuva e do frio.
Por fim, a D. Conceição partilhou connosco que se sente bem no Colégio e feliz quando os alunos a respeitam e quando faz o seu trabalho com qualidade.
Cá para nós, ela faz sempre bem o seu trabalho. E tem muita, mas muita, paciência para nos aturar! Um bem-haja, D. Conceição.